Rescisão Indireta: A justa causa do Empregador

O que é rescisão indireta?

O que é rescisão indireta?

A rescisão indireta é uma forma de extinção do contrato de trabalho que ocorre quando o empregador prática algum ato que prejudica o trabalhador, sendo considerado incompatível com a relação de emprego estabelecida em lei, ou descumpra as suas obrigações decorrentes do Contrato de Trabalho perante o empregado.

Quando o empregado pode demitir o empregador?

Quando o empregado pode fazer a rescisão indireta?

O artigo 483 da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) elenca as hipóteses que ensejam a rescisão indireta, ou justa causa do empregador, e a consequente extinção do Contrato de Trabalho, dentre elas estão:

Art. 483 – O empregado poderá considerar rescindido o contrato e pleitear a devida indenização quando:

a) forem exigidos serviços superiores às suas forças, defesos por lei, contrários aos bons costumes, ou alheios ao contrato;

b) for tratado pelo empregador ou por seus superiores hierárquicos com rigor excessivo;

c) correr perigo manifesto de mal considerável;

d) não cumprir o empregador as obrigações do contrato;

e) praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas de sua família, ato lesivo da honra e boa fama;

f) o empregador ou seus prepostos ofenderem-no fisicamente, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

g) o empregador reduzir o seu trabalho, sendo este por peça ou tarefa, de forma a afetar sensivelmente a importância dos salários.

Além desses casos, será escolha do Empregado suspender a prestação dos serviços ou rescindir o Contrato de Trabalho, quando tiver de desempenhar obrigações legais incompatíveis com a continuação do serviço ou em caso de morte do empregador constituído em empresa individual, conforme parágrafos 1° e 2° do mesmo artigo.

Quais direitos terá o empregado?

Com a rescisão indireta do Contrato de Trabalho, o empregador terá o prazo de 10 (dez) dias contados do término do Contrato de Trabalho para realizar o pagamento das seguintes verbas rescisórias:

  • Saldo Salário;
  • Aviso-prévio (sempre será indenizado);
  • 13º Salário Proporcional;
  • Férias vencidas, se houver, e proporcionais acrescidas de 1/3 Constitucional;
  • Multa compensatória do FGTS;
  • Saque do FGTS;
  • Seguro-desemprego.

Como proceder com a Rescisão Indireta?

Rescisão indireta: como fazer?

Devido a impossibilidade do trabalhador punir o empregador, visto que é a parte mais fraca da relação, é de responsabilidade da Justiça do Trabalho analisar o caso e o fazer. Assim, caberá ao trabalhador ingressar perante a Justiça do Trabalho com ação de rescisão indireta do Contrato de Trabalho.

A rescisão indireta, como na justa causa do empregado, é regida pelo princípio da imediaticidade, ou seja, assim que o trabalhador identificar a irregularidade, deverá comunicar ao empregador da rescisão indireta e “abandonar” o emprego, sob pena de haver o perdão tácito da irregularidade.

Entretanto, há exceções legais desse afastamento imediato, que estão nas alíneas “d” e “g”, conforme estabelece o parágrafo 3° do Art. 483 da CLT: 

Art. 483. (…)

d) não cumprir o empregador as obrigações do contrato; (…)

g) o empregador reduzir o seu trabalho, sendo este por peça ou tarefa, de forma a afetar sensivelmente a importância dos salários.

§ 3º Nas hipóteses das letras “d” e “g”, poderá o empregado pleitear a rescisão de seu contrato de trabalho e o pagamento das respectivas indenizações, permanecendo ou não no serviço até final decisão do processo.

Nestes casos o trabalhador poderá optar em permanecer ou não no emprego até que a decisão final do processo de rescisão indireta seja proferida. Assim, o empregador não poderá alegar o perdão tácito por parte do empregado.

Além disso, devido o trabalhador ser a parte mais fraca na relação de emprego, o Tribunal Superior do Trabalho tem aberto mais exceções ao princípio da imediaticidade, vez que em diversos casos não é compatível com a realidade do trabalhador. Assim, o informativo nº 152 do TST aduz que:

[…] 4. Nessa perspectiva, estando a questão em condições de imediato julgamento, no mérito impõe-se trazer a lume a jurisprudência iterativa e atual desta Corte Superior, firme no sentido de que o descumprimento reiterado das obrigações trabalhistas pelo empregador caracteriza a hipótese de falta grave empresarial tipificada no art. 483, “d”, da CLT, de molde a autorizar a rescisão indireta do contrato de trabalho, com ônus rescisórios para a empresa. Não constitui óbice ao reconhecimento da falta grave a ausência de imediatidade entre o início da conduta e a proposição da ação, diante do desequilíbrio econômico entre as partes e a necessidade premente de manutenção do contrato de emprego. Recurso de embargos conhecido e provido. (TST, SDI-I, E-RR-1044-36.2014.5.03.0105, Rel. Min. Walmir Oliveira da Costa, j. 09/02/2017, DEJT 17/02/2017).

Por fim, destaca-se que o trabalhador terá que provar a irregularidade, seja prova documental ou testemunhal, para que tenha êxito na ação judicial de rescisão indireta. Caso a respectiva ação seja indeferida, há entendimento de que a rescisão indireta seria convertida em pedido de demissão, sendo percebida as verbas rescisórias devidas nesta modalidade, quais sejam:

  • Saldo de salários;
  • Férias (vencidas, simples e proporcionais);
  • Décimo terceiro proporcional.

O Escritório Ribeiro Cavalcante Advocacia, além do Núcleo de Matéria Previdenciária, possui um Núcleo Especializado em Direito Trabalho, isso aumenta as chances de sucesso no seu caso. Atendemos em todo o país, com atendimento físico em Fortaleza/CE. Nosso WhatsApp é (85) 2180-6488. Agende seu atendimento.

Iniciar conversa...
Precisa de ajuda?
Olá! Podemos te ajudar?