Espondiloartrose anquilosante: Auxílio-doença e aposentadoria por invalidez em 2024

por Lucas Ribeiro Cavalcante
Modelo de coluna vertebral com hérnia de disco em fundo azul. Representação de problema na coluna lombar.

A espondiloartrose anquilosante é uma doença inflamatória crônica que afeta as articulações da coluna vertebral e outras articulações do corpo. A doença pode causar uma série de sintomas, incluindo dor, rigidez e inflamação.

O que é espondiloartrose anquilosante?

Espondiloartrose anquilosante Aposentadoria por invalidez

A causa da espondiloartrose anquilosante ainda não é totalmente compreendida, mas acredita-se que seja causada por uma combinação de fatores genéticos e ambientais. A doença é mais comum em homens do que em mulheres e geralmente se manifesta entre os 20 e 40 anos de idade.

Exemplos de incapacidade causada pela espondiloartrose anquilosante

Espondiloartrose anquilosante Lucas Ribeiro Cavalcante

A espondiloartrose anquilosante pode causar uma série de incapacidades que podem dificultar ou impossibilitar o trabalho, incluindo:

  • Dor nas costas, que pode ser aguda ou crônica;
  • Rigidez nas costas, que pode dificultar a movimentação;
  • Inflamação nas costas, que pode causar inchaço e vermelhidão;
  • Limitação de movimentos, que pode dificultar a realização de tarefas cotidianas;
  • Falta de força, que pode dificultar a realização de tarefas físicas.

Exames necessários para solicitação de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez

Espondiloartrose anquilosante RC Advocacia

Para solicitar auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez por espondiloartrose anquilosante, o paciente deve apresentar os seguintes exames:

  • Exame clínico: o médico irá avaliar o paciente e documentar seus sintomas.
  • Exame laboratorial: o paciente pode ser submetido a exames laboratoriais para avaliar a função renal, a função cardíaca e a presença de outros problemas de saúde.
  • Exames de imagem: o paciente pode ser submetido a exames de imagem, como radiografias, tomografias computadorizadas e ressonâncias magnéticas, para avaliar a coluna vertebral e outras articulações.
  • Laudo médico: o médico deverá atestar a incapacidade do paciente para o trabalho.

Ou seja…

Espondiloartrose anquilosante Ribeiro Cavalcante Advocacia

Se você é portador de espondiloartrose anquilosante e está incapacitado para o trabalho, você pode ter direito ao auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez. A Ribeiro Cavalcante Advocacia pode ajudá-lo a solicitar os benefícios.

Conversar com Advogado

Quem tem direito à auxílio-doença?

Quem tem direito à auxílio-doença

O auxílio-doença é um benefício previdenciário concedido aos segurados do INSS que estão temporariamente incapacitados de trabalhar devido a uma doença ou acidente. No entanto, para ter direito ao auxílio-doença, é necessário cumprir um período mínimo de carência, que varia de acordo com a natureza da doença.

A carência é o número mínimo de contribuições que o segurado precisa ter feito ao INSS para ter acesso ao benefício. Em geral, a carência mínima para o auxílio-doença é de 12 contribuições mensais. No entanto, em casos de doenças específicas, como tuberculose, hanseníase, neoplasia maligna (câncer), entre outras, não é exigido o cumprimento da carência.

Para os segurados que sofrem acidentes de qualquer natureza ou têm doenças profissionais relacionadas ao trabalho, não é necessário cumprir a carência para ter direito ao auxílio-doença.

É importante ressaltar que, além da carência, é fundamental comprovar a incapacidade para o trabalho por meio de exames médicos e documentação adequada. O segurado deve apresentar relatórios médicos, laudos, exames e demais provas que evidenciem a existência da doença ou lesão e sua relação direta com a incapacidade.

Portanto, para ter direito ao auxílio-doença, é necessário cumprir o período mínimo de carência, que é de 12 contribuições mensais em geral, exceto nos casos de doenças específicas e acidentes de qualquer natureza. Além disso, é preciso comprovar a incapacidade para o trabalho por meio de documentação médica adequada.

Como Solicitar o Auxílio-Doença?

Como Solicitar o Auxílio-Doença?

Para solicitar o auxílio-doença, é necessário preencher um formulário de solicitação pelo Meu.INSS ou 135.

Para solicitar o auxílio-doença pelo site do Meu.INSS, siga as etapas abaixo:

  1. Acesse o site do Meu.INSS por meio do seguinte endereço: https://meu.inss.gov.br/.
  2. Faça login no sistema usando seu CPF e senha. Caso ainda não tenha cadastro, clique em “Crie sua conta” para se registrar.
  3. Após fazer o login, você será redirecionado para a página inicial do Meu.INSS. No menu principal, clique em “Agendamentos/Requerimentos”.
  4. Na página de Agendamentos/Requerimentos, clique em “Novo Requerimento”.
  5. No campo de busca, digite “auxílio-doença” e selecione a opção “Benefício por Incapacidade” que aparecerá na lista.
  6. Leia as informações fornecidas e clique em “Agendar” para dar início ao requerimento do auxílio-doença.
  7. Preencha todos os campos solicitados, fornecendo informações pessoais, dados médicos e detalhes sobre a incapacidade.
  8. Após preencher todas as informações, clique em “Avançar” para prosseguir com o requerimento.
  9. Verifique todas as informações fornecidas, certificando-se de que estão corretas, e clique em “Avançar”.
  10. Na próxima página, você terá a opção de anexar documentos relevantes para comprovação da incapacidade. Clique em “Anexar” para adicionar os documentos solicitados, como atestados médicos e exames.
  11. Após anexar os documentos, clique em “Avançar” para prosseguir.
  12. Na última etapa, revise todas as informações fornecidas e confirme a solicitação do auxílio-doença clicando em “Enviar”.
  13. Após o envio, será gerado um número de protocolo. Anote esse número, pois será necessário para acompanhar o status da solicitação.
  14. O INSS analisará sua solicitação e, caso necessário, poderá solicitar mais documentos ou agendar uma perícia médica.
  15. Você pode acompanhar o andamento do seu pedido de auxílio-doença pelo próprio site do Meu.INSS, na opção “Resultado de Requerimento/Benefício por Incapacidade”.

Lembre-se de que o auxílio-doença requer uma avaliação médica para determinar a elegibilidade do benefício. O INSS pode solicitar que você compareça a uma perícia médica para avaliar sua condição de incapacidade.

Caso encontre dificuldades ou precise de mais informações, é recomendável entrar em contato com a Central de Atendimento do INSS pelo telefone 135.

Requisitos para Aposentadoria por Invalidez

Requisitos para Aposentadoria por Invalidez e auxílio-doença

A aposentadoria por invalidez é um benefício previdenciário fundamental no Brasil, destinado a assegurar a subsistência de trabalhadores que se encontram em situação de incapacidade laboral permanente. No entanto, para ter direito a esse benefício, é necessário atender a uma série de requisitos estabelecidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Três elementos cruciais a serem considerados são: Qualidade de Segurado, Carência e Incapacidade Permanente.

1. Qualidade de Segurado

A qualidade de segurado é um requisito inicial para que o indivíduo possa pleitear a aposentadoria por invalidez. A pessoa precisa estar vinculada à Previdência Social, seja como contribuinte individual, empregado, contribuinte facultativo ou segurado especial. A qualidade de segurado é mantida por um período após a última contribuição efetuada ou até que ocorra a perda dessa qualidade. Essa perda pode ocorrer quando o período de graça se esgota. No caso de aposentadoria por invalidez, essa exigência pode ser dispensada em situações específicas, como acidentes de trabalho ou doenças graves.

2. Carência

A carência refere-se ao número mínimo de contribuições mensais que o segurado deve ter feito ao INSS para ter direito à aposentadoria por invalidez. Geralmente, são necessárias 12 contribuições mensais, exceto em situações em que a incapacidade é decorrente de acidente de qualquer natureza, doença profissional ou ocupacional. Em tais casos, a carência é dispensada, o que possibilita o acesso ao benefício mesmo com um período menor de contribuições. É importante destacar que a carência visa a assegurar que o segurado tenha contribuído o suficiente para a Previdência Social antes de usufruir dos benefícios oferecidos.

3. Incapacidade Permanente ou Temporária

A diferença entre incapacidade temporária e permanente no contexto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está relacionada à duração da condição incapacitante e aos benefícios concedidos em cada situação.

  1. Incapacidade Temporária (Auxílio-Doença):
    • Definição: Refere-se a uma condição de saúde que impede o segurado de trabalhar temporariamente, mas com expectativa de recuperação.
    • Benefício Associado: O benefício relacionado à incapacidade temporária é o Auxílio-Doença.
    • Duração: É concedido enquanto perdurar a incapacidade temporária, sendo necessário periodicamente reavaliar a condição do segurado.
    • Objetivo: O objetivo é proporcionar suporte financeiro ao segurado durante o período em que ele não pode exercer suas atividades laborais devido à doença ou lesão.
  2. Incapacidade Permanente (Aposentadoria por Invalidez):
    • Definição: Refere-se a uma condição de saúde que é irreversível, impedindo o segurado de retornar ao trabalho de forma permanente.
    • Benefício Associado: O benefício relacionado à incapacidade permanente é a Aposentadoria por Invalidez.
    • Duração: É concedido de forma permanente, visto que a incapacidade é considerada irreversível.
    • Objetivo: O objetivo é prover uma aposentadoria antecipada ao segurado que não pode mais trabalhar devido a uma condição de saúde permanente e incapacitante.

Em ambos os casos, para ter direito aos benefícios, o segurado precisa passar por perícia médica do INSS, que avaliará a condição de saúde e a incapacidade laboral. É importante ressaltar que, em alguns casos de incapacidade temporária que se prolongam, a concessão de auxílio-doença pode eventualmente ser convertida em aposentadoria por invalidez, se a perícia médica determinar que a condição se tornou permanente.

Documentação necessária para auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez

Documentação necessária para auxílio-doença

Para solicitar o auxílio-doença, é fundamental reunir a documentação necessária que comprove a incapacidade para o trabalho. A apresentação correta dos documentos é de extrema importância para o processo de análise e concessão do benefício. Uma boa prática é organizar os laudos médicos mais recentes e relevantes no topo da fila de documentos, para facilitar a análise e agilizar o processo.

A seguir, estão listados os principais documentos que devem ser providenciados:

  1. Laudos médicos: Os laudos médicos são essenciais para comprovar a existência da doença ou lesão e sua relação direta com a incapacidade para o trabalho. É importante apresentar laudos atualizados e detalhados, fornecidos por profissionais devidamente habilitados, descrevendo o quadro clínico, os exames realizados, o diagnóstico e as limitações causadas pela condição de saúde.
  2. Exames complementares: Além dos laudos médicos, é recomendável incluir os resultados de exames complementares relevantes, como radiografias, ressonâncias magnéticas, tomografias, entre outros. Esses exames podem fornecer informações adicionais importantes para a avaliação do INSS.
  3. Prontuário médico: O prontuário médico, que inclui o histórico do paciente, consultas médicas anteriores, tratamentos realizados e demais informações médicas, também deve ser apresentado. Ele ajuda a documentar o acompanhamento médico contínuo e fornece uma visão mais completa do quadro de saúde do segurado.
  4. Documentos pessoais: É necessário apresentar documentos pessoais, como RG, CPF, comprovante de residência e carteira de trabalho, para comprovar a identidade e o vínculo empregatício, quando aplicável.
  5. Declaração de atividade: No caso de segurados especiais, como trabalhadores rurais, é importante apresentar documentos que comprovem a atividade exercida, como declarações de sindicatos, notas fiscais de venda de produtos agrícolas ou documentos que atestem a participação em programas governamentais voltados para a agricultura familiar.

É fundamental lembrar que a documentação deve estar completa, legível e atualizada. Todos os documentos devem ser originais ou cópias autenticadas.

Ao organizar os documentos, colocar os laudos médicos mais recentes e relevantes em cima da fila facilita o acesso rápido às informações essenciais para a análise do pedido de auxílio-doença pelo INSS. Essa prática contribui para uma análise mais eficiente e assertiva do caso.

Em resumo, para solicitar o auxílio-doença, é necessário reunir a documentação adequada que comprove a incapacidade para o trabalho. Organizar os laudos médicos mais recentes e relevantes no topo da fila de documentos facilita o processo de análise. Lembre-se de incluir também exames complementares, prontuário médico e documentos pessoais, conforme a situação do segurado. A apresentação correta e completa da documentação é crucial para agilizar a concessão do benefício.

A perícia médica do INSS de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez

Qual a duracao do auxilio doenca

A perícia médica do INSS é realizada por médicos peritos designados pelo Instituto Nacional do Seguro Social. Essa avaliação tem como objetivo analisar a condição de saúde do segurado e determinar sua incapacidade para o trabalho. Vale ressaltar que a perícia do INSS é uma perícia administrativa, realizada dentro do âmbito do próprio instituto.

Apesar de ser conduzida de forma imparcial, há casos em que o benefício de auxílio-doença é indeferido, mesmo com a apresentação de documentação e argumentos comprovando a incapacidade para o trabalho. Nessas situações, é possível recorrer da decisão e buscar correção através de um processo judicial.

No processo judicial, é realizada uma nova perícia médica, agora conduzida por um médico perito judicial designado pelo juiz responsável pelo caso. Essa segunda perícia tem o propósito de revisar a decisão inicial e fornecer um parecer técnico independente sobre a condição de saúde do segurado.

A perícia judicial é realizada com base nos mesmos princípios de imparcialidade, buscando avaliar adequadamente a incapacidade para o trabalho do segurado. O médico perito judicial analisa minuciosamente a documentação e os argumentos apresentados pelas partes envolvidas no processo, além de realizar exames físicos e solicitar exames complementares, se necessário.

O parecer do médico perito judicial é considerado uma prova técnica no processo judicial e possui um peso significativo na decisão final do juiz. Caso a nova perícia constate a existência da incapacidade para o trabalho, o juiz poderá reverter a decisão anterior do INSS e conceder o benefício.

Atualmente, devido à sobrecarga do sistema, é comum que a consulta de perícia médica seja conduzida em um ritmo acelerado. Embora seja uma consulta normal, o médico perito tem um tempo limitado para analisar o caso, o que pode resultar em uma avaliação mais breve e menos detalhada do quadro clínico do segurado.

É importante ressaltar que essa situação não é ideal, pois a análise minuciosa da condição de saúde é crucial para determinar a incapacidade para o trabalho e a necessidade de receber o auxílio-doença. No entanto, a alta demanda e as limitações estruturais do INSS exigem que os médicos peritos lidem com um grande número de consultas em um curto período de tempo.

Além disso, a demora para agendar a perícia médica é uma questão que afeta consideravelmente os segurados. A escassez de médicos peritos e a ausência de concursos para suprir essa demanda têm contribuído para prazos cada vez mais longos, resultando em espera e ansiedade para aqueles que necessitam do auxílio-doença.

Em resumo, a perícia médica do INSS desempenha um papel essencial na avaliação da incapacidade para o trabalho. Quando ocorrem indeferimentos, é possível recorrer por meio de um processo judicial, no qual uma nova perícia é realizada. Entretanto, é importante considerar as limitações do sistema, como o ritmo acelerado das consultas e a demora para agendamento, causados pela alta demanda e falta de recursos. É necessário buscar soluções para aprimorar o processo e garantir uma avaliação adequada e ágil da condição de saúde dos segurados.

Qual a duração do auxílio-doença?

Qual a duração do auxílio-doença

O auxílio-doença é um benefício previdenciário que possui caráter temporário. Sua duração está diretamente relacionada à avaliação médica, levando em consideração a gravidade da doença ou lesão do segurado. É importante destacar que o objetivo principal do auxílio-doença é proporcionar suporte financeiro durante o período em que o segurado está temporariamente incapaz de trabalhar.

Durante o período em que o auxílio-doença é concedido, o segurado recebe o benefício mensalmente. No entanto, caso seja constatado que não há previsão de melhora em seu estado de saúde, o auxílio-doença pode ser cancelado e convertido para aposentadoria por invalidez.

A conversão para aposentadoria por invalidez ocorre quando a incapacidade para o trabalho é considerada permanente, ou seja, quando não se espera a recuperação do segurado. Nesses casos, o benefício de auxílio-doença é encerrado e o segurado passa a receber a aposentadoria por invalidez, desde que cumpra os requisitos específicos para essa modalidade de benefício.

É importante ressaltar que, em algumas situações específicas, como no caso de câncer, é possível obter uma prorrogação do prazo de recebimento do auxílio-doença. Em geral, o prazo máximo é de dois anos para o tratamento do câncer. No entanto, cada caso é avaliado individualmente e é necessário apresentar a documentação médica adequada para comprovar a necessidade dessa prorrogação.

Em resumo, o auxílio-doença é um benefício previdenciário temporário que visa amparar o segurado durante o período em que ele está temporariamente incapaz de trabalhar. Caso não haja previsão de melhora em seu estado de saúde, o auxílio-doença pode ser cancelado e convertido para aposentadoria por invalidez. O prazo máximo para o recebimento do auxílio-doença pode variar, sendo que, para casos de câncer, geralmente é de dois anos.

A comprovação da incapacidade para o trabalho

A comprovacao da incapacidade para o trabalho

Compreender a comprovação da incapacidade para o trabalho é fundamental para garantir o acesso ao auxílio-doença junto ao INSS. O processo de comprovação envolve diversos aspectos, como exames médicos, documentação adequada e acompanhamento médico contínuo.

Em primeiro lugar, é necessário apresentar exames médicos que evidenciem a existência da doença ou lesão que está causando a incapacidade. Esses exames podem incluir análises de sangue, radiografias, ressonâncias magnéticas, entre outros. É importante obter relatórios médicos completos e detalhados que indiquem a gravidade da condição, suas limitações e a relação direta com a incapacidade para o trabalho.

Além dos exames, é crucial manter um acompanhamento médico constante. O segurado deve buscar atendimento regularmente, seguindo as orientações médicas e realizando os tratamentos necessários. Esse acompanhamento é fundamental para documentar a evolução da doença e a persistência da incapacidade.

No processo de comprovação, é essencial apresentar também laudos e relatórios médicos atualizados, que descrevam o quadro clínico, as limitações funcionais e as restrições impostas pela doença ou lesão. Esses documentos devem ser elaborados por médicos especialistas na área relacionada à condição do segurado, conferindo maior credibilidade às informações apresentadas.

Além disso, é importante destacar que a comprovação da incapacidade para o trabalho não se limita apenas à análise de exames e documentos médicos. O INSS também leva em consideração a atividade profissional exercida pelo segurado, avaliando se há outras possibilidades de trabalho compatíveis com sua condição de saúde.

Em resumo, para comprovar a incapacidade para o trabalho junto ao INSS, é necessário reunir exames médicos relevantes, documentação adequada e manter um acompanhamento médico regular. A obtenção de laudos e relatórios atualizados, elaborados por especialistas, fortalece a argumentação sobre a incapacidade. É fundamental seguir corretamente todas as etapas e requisitos exigidos pelo INSS para aumentar as chances de concessão do auxílio-doença.

Os cinco motivos que podem fazer seu auxílio-doença ser indeferido!

Os cinco motivos que podem fazer seu auxílio-doença ser indeferido!

Os cinco motivos mais comuns para indeferimento do auxílio-doença são:

  1. Falta de documentação adequada: Um dos principais motivos para a negativa do auxílio-doença é a falta de documentação completa e adequada. Isso inclui laudos médicos atualizados, exames complementares, relatórios médicos detalhados e outros documentos que comprovem a condição de saúde e a incapacidade para o trabalho.
  2. Inconsistência nos laudos médicos: Outro motivo frequente para o indeferimento é a presença de inconsistências nos laudos médicos apresentados. Isso pode ocorrer quando há divergências entre as informações do laudo e os sintomas alegados, falta de clareza na descrição da incapacidade ou informações conflitantes entre diferentes documentos médicos.
  3. Ausência de perícia médica conclusiva: O auxílio-doença requer a realização de uma perícia médica, onde um médico perito avalia a condição de saúde do segurado. Se o laudo da perícia não for conclusivo o suficiente para comprovar a incapacidade para o trabalho, o benefício pode ser indeferido.
  4. Avaliação de capacidade para o trabalho: O INSS considera não apenas a condição de saúde, mas também a capacidade do segurado para exercer alguma atividade laboral. Se o médico perito considerar que o segurado possui capacidade para realizar um trabalho compatível com suas habilidades, mesmo diante da condição de saúde apresentada, o auxílio-doença pode ser negado.
  5. Carência mínima não cumprida: O auxílio-doença também possui uma carência mínima, ou seja, um período de contribuição específico que deve ser cumprido pelo segurado. Caso o segurado não tenha contribuído o tempo mínimo exigido, o benefício pode ser indeferido.

É importante ressaltar que cada caso é único e pode apresentar características específicas que influenciam na decisão do indeferimento. Por isso, é fundamental contar com orientação jurídica especializada para entender os motivos específicos do indeferimento e buscar as medidas adequadas para contestar a decisão.

Como podemos te ajudar com auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez?

Como podemos te ajudar

A Ribeiro Cavalcante Advocacia tem uma equipe de profissionais especializados em direito previdenciário e está preparada para oferecer suporte e auxílio em todas as etapas do processo de solicitação e manutenção do auxílio-doença ou sua conversão para aposentadoria por invalidez.

Nossa equipe jurídica possui ampla experiência na área previdenciária e está familiarizada com as complexidades do sistema do INSS. Entendemos as dificuldades enfrentadas pelos segurados ao lidar com os trâmites burocráticos e as exigências legais para a concessão do benefício.

Aqui estão alguns dos serviços que a Ribeiro Cavalcante Advocacia pode oferecer:

  1. Análise do caso: Realizamos uma análise minuciosa da situação do segurado, considerando os requisitos legais e as particularidades do caso específico. Essa avaliação nos permite identificar possíveis problemas ou desafios e traçar estratégias adequadas para garantir o sucesso do processo.
  2. Orientação e documentação: Orientamos o segurado sobre a documentação necessária e auxiliamos na obtenção dos laudos médicos, exames complementares e demais documentos que comprovem a incapacidade para o trabalho. Nosso objetivo é garantir que a documentação seja completa, consistente e adequada para aumentar as chances de deferimento do benefício.
  3. Elaboração e protocolo do requerimento: Preparamos e protocolamos o requerimento de auxílio-doença de forma precisa e detalhada, destacando os argumentos relevantes e ressaltando a condição de saúde do segurado. Buscamos apresentar um caso forte e fundamentado para aumentar as chances de aprovação do benefício desde o início do processo.
  4. Acompanhamento do processo: Acompanhamos de perto todo o trâmite do processo junto ao INSS, garantindo que prazos sejam cumpridos, respondendo a eventuais exigências e mantendo o segurado informado sobre o andamento do caso. Estamos preparados para lidar com possíveis recursos ou contestações, buscando sempre a defesa dos direitos do segurado.
  5. Recursos e ações judiciais: Caso o benefício seja indeferido pelo INSS, estamos prontos para interpor recursos administrativos e, se necessário, ingressar com ações judiciais. Nossos advogados possuem experiência em litígios previdenciários e estão preparados para defender os interesses do segurado perante os órgãos judiciais.

A Ribeiro Cavalcante Advocacia está comprometida em fornecer um atendimento personalizado e eficiente, buscando sempre a melhor solução para cada caso. Nossa prioridade é garantir que os direitos previdenciários sejam devidamente assegurados e que o segurado receba o auxílio-doença a que tem direito.

Entre em contato conosco para uma análise inicial e descubra como podemos ajudá-lo a obter o auxílio-doença ou aposentadoria apor invalidez de forma efetiva. Estamos prontos para lutar pelos seus direitos e oferecer todo o suporte necessário durante esse processo.

Escanear o código
WhatsApp

Seu benefício foi indeferido? A Ribeiro Cavalcante Advocacia pode ajudar.

Quais os possiveis efeitos na pontuacao de credito por acoes revisionais de emprestimos

1. A Ribeiro Cavalcante Advocacia é tem setor especializado em auxílio-doença que oferece assistência jurídica para a obtenção de benefícios previdenciários. Nossa equipe conta com profissionais altamente qualificados com mais de 10 anos de experiência na área, incluindo ex-funcionários do INSS.

2. Nossa equipe entende as complexidades envolvidas na concessão de benefícios previdenciários, bem como as regras e regulamentos que regem o processo. Isso nos permite oferecer orientação jurídica especializada para nossos clientes, assim como a capacidade de identificar e abordar questões legais que possam afetar o resultado.

3. Oferecemos a nossos clientes uma análise completa do caso e da documentação existente para identificar os requisitos necessários para a concessão do auxílio-doença indeferido administrativamente. Nossa equipe também tem expertise para ajudar os clientes a apresentar suas alegações de forma persuasiva ao INSS.

4. Nossa equipe desenvolverá uma estratégia de defesa jurídica específica para cada caso, garantindo que as alegações sejam apresentadas de forma clara, completa e convincente.

5. Por fim, nossa equipe tem um histórico comprovado de sucesso na obtenção de benefícios previdenciários para nossos clientes. Estamos confiantes de que podemos ajudar os nossos clientes a obter o auxílio-doença indeferido administrativamente de forma rápida e eficaz.

beneficio previdenciario indeferido advogado

Você pode se interessar:

deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Logo Telegram

Faça parte do nosso canal no Telegram

Receba informações do INSS 

com antecedência!

Abrir bate-papo
Escanear o código
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?
Seu Salário Mínimo na Aposentadoria em Risco? Siglas do INSS: DCB, DER, DIB, DII e NB DIB: O que é? Pensão por Morte: Quem Tem Direito e Como Solicitar? BPC e Pensão por Morte: pode receber os dois?